Dominância — Uma visão científica

Eu escrevi um capítulo no meu livro “Uma nova visão sobre o treino animal” sobre o animal social humano, onde dentre outros assuntos, mencionei o facto de, ao sermos animais sociais, criarmos grupos (grupos de dentro e grupos de fora).

Actualmente, o ambiente virtual tem um mundo de conhecimento a explorar, mas como animais humanos que somos, por vezes preferimos nos juntar aos grupos de dentro sem consultar a realidade factual de alguns assuntos. Esse efeito bola de neve é perigoso e promove a ignorância, nada benévolo quando queremos mudar o mundo e mais perigoso ainda quando ensinamos pessoas que irão ensinar outras.

Querer fazer do comportamento animal uma “conclusão blindada” é um ato criminoso que o eleva a um campo dogmático, que tenho a certeza ser o oposto do objetivo desses grupos.

Pessoalmente, não sigo correntes ou textos moralmente aceites. Sigo a ciência e os seus factos que diariamente são colocados em dúvida e estudados. Defendo ainda que não é a camuflar ou ignorar conceitos que eles não serão seguidos, pelo contrário, geram mais confusão, fundamentalismos e incoerência.

Necessitamos de estudá-los e explicá-los na realidade com a mente aberta e separar esses conceitos das utilizações que os humanos fazem (mais precisamente no treino animal), porque são dois assuntos completamente distintos, espécies diferentes comunicam de forma diferente.

“Para mudar algo, construa um novo modelo que faça o existente obsoleto.” ― R. Buckminster Fuller. Essa mudança é a transmissão real do conhecimento sem moralismos, somente assim faremos a mudança.

Compilei um conjunto de matérias e pesquisas de cientistas do mundo animal. Este assunto já chegou ao ponto de misturas de comportamentos com estados de espírito, adulterações de autores e ao cúmulo do argumentum ad verecundiam.

Espero que estes tópicos factuais possam elevar o vosso raciocínio crítico e pensamento lógico sobre os assuntos, somente assim conseguimos fazer a mudança. Apesar de fazer por tópicos, este artigo será um pouco longo ao complementar com a leitura dos links fornecidos e das referências bibliográficas. Para o bem do seu conhecimento, perca um pouco de tempo a ler e poder ter um argumento bem fundamentado e devidamente comprovado quando falar de determinado assunto.

Clique nos tópicos para aceder aos assuntos.
Dominância, submissão, hierarquias, etogramas e todas as definições científicas sobre o assunto. Artigo do Dr. Roger Abrantes.

Dominância e agressividade— Raciocínio crítico. Artigo do Dr. Roger Abrantes.

Artigo do Dr. Simon Gadbois sobre a dominância e a punição.

Etograma canino—Comportamento social e agonístico. Artigo do Dr. Roger Abrantes.

Artigo do Dr. Marc Bekoff com o depoimento do Dr. David Mech a afirmar que nunca rejeitou a noção de dominância.

Dominância e Pseudo-ciência. Artigo do Dr. Marc Bekoff.

Os cães demonstram dominância. Artigo do Dr. Marc Bekoff com vários estudos e outros artigos sobre o tema.

Estudo sobre a ontogenia do comportamento agonístico e interação social de espécies caninas selecionadas.

Estudo sobre relações de dominância em grupos de Canis lupus arctos.

Estudo com análise quantitativa da dominância nos cães domésticos.

Estudo sobre as hierarquias de dominância por idade e a tolerância social em grupos de cães em liberdade.

Outro estudo sobre a dominância em cães domésticos.

Vários artigos e estudos sobre hierarquias sociais.

Uso errôneo do tempo de geração do lobo em avaliações de evolução doméstica de cães e humanos.

Dr. Mech: Alpha Status, Dominance, and Division of Labor in Wolf Packs.

Dr. David Mech: Leadership in wolf, Canis lupus, Packs

O treino animal e a pseudociência.

Referências bibliográficas recomendadas.
ABRANTES, R. (1997). The Evolution of Canine Social Behavior. Wakan Tanka Publishers.

ABRANTES, R. (1997). Dog Language. Wakan Tanka Publishers.

ABRANTES, R. (2011). Dominance—Making Sense of the Nonsense.

ABRANTES, R. (2012). Canine Ethogram—Social and Agonistic Behavior.

ALCOCK, J. (2001). Animal Behavior: An Evolutionary Approach (7 ed.) Sinauef-Associates Inc., Massachusetts.

ANDERSON, C. & Kilduff, G. (2009). Why dominant personalities attain influence in face-to-face gourds? The competence-signaling effects of trait dominance. Journal of Personality and Social Phychology, 96(2):491-503.

BAUMEISTER, R. (2005). The cultural animal. London: Oxford University Press.

BEKOFF, M. (2010). Encyclopedia of animal rights and animal welfare / edited by Marc Bekoff ; foreword by Jane Goodall.—2nd ed. ABC-Clio, LLC.

BLANK, R. & HINES, S. (2001). Biology and Political Science. New York: Routledge.

BUSS, D. (2001). Human nature and culture: An evolutionary psychological perspective. Journal of Personality, 69,955-978.

CHASE, I.D. (2001) et al. PNAS 2002;99:5744-5749

COPPINGER, R. and Coppinger, L. (2001). Dogs: a Startling New Understanding of Canine Origin, Behavior and Evolution. Scribner.

DEMELLO, M. (2012). Animals and Society: An introduction to human-animal studies. Columbia University Press.

DONALSON, S., Kymlicka, W. (2011). Zoopolis—A Political Theory of Animal Rights. Oxford University Press.

GREENE, J. (2013). Moral Tribes: Emotion, Reason, and the Gap Between Us and Them. New York: Penguin books.

HENRICH, N. (2007). Why humans cooperate. New York: Oxford University Press.

HICKMAN, Cleveland P. (2008). Integrated Principles of Zoology, 14 Edition. McGraw-Hill.

HOROWITZ, Alexandra. (2014). Domestic Dog, cognition and Behavior—The Scientific Study of Canis familiaris. Springer.

KAMINSKI, J., Marshall-Pescini, S. (2014). The Social Dog — Behaviour and Cognition. Elsevier.

MCFARLAND, D. (1998). Animal Behaviour. Benjamin Cummings. 3rd ed.

MCFARLAND, D. (2006). A Dictionary of Animal Behaviour. Oxford University Press.

MECH, L.D. (1999). Alpha status, dominance and division of labor in wolf packs. Can. J. Zool.

MIKLÓSI, Ádám. (2007). Dog Behaviour, Evolution, and Cognition. Oxford University Press.

MORRIS, D. (1967). The Naked Ape: A Zoologist’s Study of the Human Animal. Delta(1999).

MORRIS, D. (1969). The Human Zoo. Kodansha America, Inc.

SCOTT, J. P. (1976). Violence and social Disaggregation. Aggressive Behavior, 1, 235-260.

SKINNER, B. F. (1966). The phylogeny and ontology of behavior, Science, 153,1205-1213

STRICKLIN, W.R. (2000). ANSC 455 Applied Animal Behavior. Department of Animal and Avian Sciences.

SZÉKELY, T. (2010). Social Behaviour, Genes, Ecology and Evolution. Cambridge University Press.

VAN DER BORG, J. (2015) Dominance in Domestic Dogs: A Quantitative Analysis of Its Behavioural Measures. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0133978.

WATSON, J.C., Arp, Robert. (2015). Critical Thinking—an introduction to reasoning well. Bloomsbury Academic.

Autor: Roberto Barata

Animal Trainer, Consultant and Instructor; Ethology Institute Tutor; Scientific and Popular Articles Writer; Animal FACS and Pets in Society (anthrozoology) Technical Researcher.